Guia SEGCI - Portal de Segurança Contra Incêndio

Sumário

Tabela 5.3.5.1.1: Parâmetros de proteção para armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes simples, duplas e múltiplas acma de 7,6 m (25 ft) de altura, utilizando chuveiros de controle área-densidade

Figura 5.3.5.1.2(a): Distribuição de chuveiros internos, plásticos grupo A, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 1.

Figura 5.3.5.1.2(b): Distribuição de chuveiros internos, plásticos grupo A, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 2.

Figura 5.3.5.1.2.1(a): Distribuição de chuveiros internos, plásticos grupo A, estruturas porta-paletes simples, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 1.

Figura 5.3.5.1.2.1(b): Distribuição de chuveiros internos, plásticos grupo A, estruturas porta-paletes simples, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 2.

Figura 5.3.5.1.2.1(c): Distribuição de chuveiros internos, plásticos grupo A, estruturas porta-paletes simples, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 3.

5.3.5.2 Proteção de armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes acima de 7,6 m (25 ft) de altura utilizando chuveiros ESFR e chuveiros de controle para aplicação específica

5.3.5.3 Proteção de armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes acima de 7,6 m (25 ft) de altura com chuveiros ESFR

5.3.5.3.1 A proteção de plásticos não expandidos, em caixas de papelão ou não, e de plásticos expandidos em caixas de papelão, armazenados em estruturas porta-paletes simples, duplas e múltiplas, deve ser feita conforme a Tabela 5.3.5.3.1.

A proteção com chuveiros ESFR não pode ser aplicada a:

1) armazenamento em estruturas porta-paletes com prateleiras sólidas;

2) armazenagem em estruturas porta-paletes envolvendo caixas ou recipientes abertos combustíveis.

5.3.5.3.2 Sistemas com chuveiros ESFR devem ser projetados de modo que a pressão mínima de operação não seja inferior à indicada na Tabela 5.3.5.3.1, para tipo de armazenagem, mercadoria, altura de armazenagem e altura de edifício envolvido.

5.3.5.3.3 A área de operação deve ter os 12 chuveiros com maior demanda hidráulica, consistindo de 4 chuveiros em 3 ramais. A área deve ter, no mínimo, 89 m² (960 ft²).

5.3.5.3.4 Quando exigido pela Tabela 5.3.5.3.1, um nível de chuveiros internos de resposta rápida de temperatura ordinária, com K=8.0, deve ser instalado no nível do andar mais próximo, mas não excedendo metade da máxima altura de armazenagem.

O cálculo hidráulico do sistema de chuveiros internos deve considerar os 8 chuveiros mais remotos hidraulicamente, a 3,4 bar (50 psi). Os chuveiros internos devem ser instalados na interseção dos vãos verticais longitudinais e transversais. O espaçamento horizontal não poderá exceder intervalos de 1,5 m (5 ft).

5.3.5.3.5 Para fins de cálculo hidráulico, quando houver chuveiros ESFR instalados acima e abaixo de obstruções, a descarga de até 2 chuveiros em um dos níveis deve ser somada à descarga do outro nível.

5.3.5.4 Chuveiros internos para proteção de armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes acima de 7,6 m (25 ft) de altura

5.3.5.4.1 Localização dos chuveiros internos para proteção de armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes acima de 7,6 m (25 ft) de altura

Em estruturas porta-paletes duplas sem prateleiras sólidas e com uma distância livre máxima entre o teto e o topo da carga de 3,1 m (10 ft), os chuveiros internos devem ser instalados conforme as Figuras 5.3.5.1.2(a) ou 5.3.5.1.2(b). O nível mais alto de chuveiros internos não pode estar a menos de 3,1 m (10 ft) abaixo do topo da carga.

Em estruturas porta-paletes simples sem prateleiras sólidas, com mercadorias armazenadas a mais de 6,1 m (25 ft) de altura e distância livre teto-topo da carga de, no máximo 3,1m (10 ft), os chuveiros devem ser instalados conforme as Figuras 5.3.5.1.2.1(a), 5.3.5.1.2.1(b) ou 5.3.5.1.2.1(c).

Em estruturas porta-paletes múltiplas sem prateleiras sólidas, com mercadorias armazenadas a mais de 6,1m (25 ft) de altura, e distância livre do teto ao topo da carga de, no máximo, 3,1 m (10 ft), os chuveiros internos devem ser instalados conforme as Figuras 5.3.5.4.1.3(a) até 5.3.5.4.1.3(f).

Tabela 5.3.5.1.3: Duração do reservatório para proteção de armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes acima de 7,6 m (25 ft) de altura

Tabela 5.3.5.3.1:
 Proteção de plásticos em estruturas porta-paletes sem prateleiras sólidas acima de 7,6 m (25 ft) de altura utilizando chuveiros ESFR

 

 

 

Figura 5.3.5.4.1.3(a): Distribuição de chuveiros internos, plásticos em caixas de papelão e plásticos não expandidos expostos, estruturas porta-paletes múltiplas, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 1 [Espaçamento máximo de 3,10 (10 ft)]

Figura 5.3.5.4.1.3(b): Distribuição de chuveiros internos, plásticos em caixas de papelão e plásticos não expandidos expostos, estruturas porta-paletes múltiplas, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 2 [Espaçamento máximo de 3,10 (10 ft)]

Figura 5.3.5.4.1.3(c): Distribuição de chuveiros internos, plásticos em caixas de papelão e plásticos não expandidos expostos, estruturas porta-paletes múltiplas, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 1 (Espaçamento máximo de 152,40 cm)

Figura 5.3.5.4.1.3(d): Distribuição de chuveiros internos, plásticos em caixas de papelão e plásticos não expandidos expostos, estruturas porta-paletes múltiplas, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 2 [(Espaçamento máximo de 1,5 m (5 ft)]

Figura 5.3.5.4.1.3(e): Distribuição de chuveiros internos, plásticos em caixas de papelão e plásticos não expandidos expostos, estruturas porta-paletes múltiplas, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 3 [(Espaçamento máximo de 1,5 m (5 ft)]

Figura 5.3.5.4.1.3(f): Distribuição de chuveiros internos, plásticos em caixas de papelão e plásticos não expandidos expostos, estruturas porta-paletes múltiplas, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) – Opção 4 [(Espaçamento máximo de 1,5 m (5 ft)]

Em estruturas porta-paletes simples e duplas sem prateleiras sólidas, com armazenagem acima de 7,6 m (25 ft) de altura e corredores com mais de 1,2 m (4 ft) de largura, os chuveiros internos devem ser posicionados conforme a Figura 5.3.5.4.1.4 e os chuveiros de teto devem ser projetados para uma densidade de 0,45 gpm/ft² sobre uma área mínima de operação de 186 m² (2000 ft²).

5.3.5.4.2 Espaçamento de chuveiros internos para proteção de armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes acima de 7,6 m (25 ft) de altura.

Os chuveiros internos para armazenagem a altura maior que 7,6 m (25 ft) em estruturas porta-paletes duplas devem ser espaçados horizontalmente e posicionados no espaço horizontal mais próximo dos intervalos especificados nas Figuras 5.3.5.1.2(a) ou 5.3.5.1.2(b)

Uma distância livre vertical de pelo menos 152,4 mm (6 in) deve ser mantida entre os defletores e o topo de cada nível de material armazenado.

5.3.5.4.3 Demanda de água de chuveiros internos para proteção de armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes acima de 7,6 m (25 ft) de altura. A demanda de água dos chuveiros internos deve ser baseada na operação simultânea dos chuveiros mais remotos hidraulicamente:

1) 8 chuveiros, quando somente um nível for instalado nas estruturas porta-paletes;

2) 14 chuveiros (7 em cada um dos 2 níveis mais altos), quando mais de um nível for instalado em estruturas porta-paletes.

5.3.5.4.4 Pressão de descarga de chuveiros internos para proteção de armazenagem de plásticos em estruturas porta-paletes acima de 7,6 m (25 ft) de altura. A pressão de descarga dos chuveiros internos não deve ser inferior a 113,6 L/min (30 gpm).

5.4 Proteção de armazenagem de pneus

5.4.1 Geral. Os critérios especificados do item 5.1.4 devem ser aplicados somente a edificações com tetos cuja inclinação não seja superior a 16,7%.

5.4.1.1 A quantidade de água disponível deve ser suficiente para a densidade de descarga exigida sobre a área de aplicação exigida, além da quantidade necessária para geração de espuma de alta densidade e para chuveiros internos, quando usados.

5.4.1.2 Armazenagem temporária de pneus deve ser protegida de acordo com 5.1.10.

5.4.2 Sistemas de teto. A descarga e área de aplicação dos chuveiros deve atender às Tabelas 5.4.2(a) e Tabela 5.4.2(b) para chuveiros standard spray. Chuveiros de gotas grandes e ESFR devem seguir o indicado pelas Tabelas 5.4.2(c) e 5.4.2(d), respectivamente.

Figura 5.3.5.4.1.4: Distribuição de chuveiros internos para plásticos expandidos e não expandidos em caixas de papelão e plásticos não expandidos expostos, estruturas porta paletes simples e duplas, altura de armazenagem acima de 7,6 m (25 ft)

 

Tabela 5.4.2(a): Critérios de proteção de armazenagem de pneus utilizando chuveiros de controle área-densidade

 

Tabela 5.4.2(b): Densidade de sistemas utilizando chuveiros de controle área-densidade para a proteção de pneus armazenados em porta-paletes portáteis paletizados e em estruturas porta-paletes fixas, com paletes, com altura maior que 1,5 m (5 ft) até 6,1 m (20 ft)

 

Tabela 5.4.2(c): Proteção de pneus com chuveiros de gotas grandes e chuveiros de controle para aplicações específicas (ver Nota 1)

 

Tabela 5.4.2(d): Proteção de pneus com chuveiros ESFR


5.4.3 Parâmetros de projeto de sistemas de chuveiros internos para proteção de armazenagem de pneus

5.4.3.1 Quando necessários, os chuveiros internos devem ser instalados de acordo com o item 5.1.3, exceto quando modificado por 5.4.3.2 até 5.4.3.4.

5.4.3.2 O espaçamento horizontal máximo dos chuveiros internos deve ser 2,4 m (8 ft).

5.4.3.3 A demanda de água dos chuveiros internos deve ser baseada na operação simultânea dos 12 chuveiros mais remotos hidraulicamente, quando somente houver um nível de chuveiros.

5.4.3.4 A pressão de descarga dos chuveiros internos não deve ser inferior a 2,1 bar (30 psi).

5.4.4 Quando forem usados sistemas de espuma de alta expansão, instalados de acordo com a NFPA 11A, Standard for Medium- and High-Expansion Foam Systems, a densidade de descarga dos chuveiros especificada na Tabela 5.4.2(a) pode ser reduzida à metade, fixada em 9,78 L/min/m² (0,24 gpm/ft²), escolhendo-se o maior dentre os dois valores.

5.5 Proteção de algodão em fardos

5.5.1 Geral

5.5.1.1 A quantidade de água disponível deve ser suficiente para suprir a densidade de descarga exigida sobre a área a ser protegida.

5.5.1.2 O fornecimento de água deve ser capaz de atender a demanda dos sistemas de chuveiros por pelo menos 2 h.

5.5.2 Proteção de algodão em fardos utilizando chuveiros de controle de área-densidade

5.5.2.1 Para a armazenagem em níveis ou em estruturas porta-paletes até a altura de 4.6 m (15 ft), as densidades de descarga e áreas de aplicação devem atender à Tabela 5.5.2.1.

5.5.2.2 Quando a altura do telhado ou do teto não permitir a armazenagem acima de 3,1 m (10 ft), a densidade de descarga dos chuveiros pode ser reduzida em 20% do valor indicado na Tabela 5.5.2.1, mas nunca abaixo de 6,1 L/min/m² (0,15 gpm/ft²).

5.6 Proteção de papel em bobinas

5.6.1 Geral

5.6.1.1 O suprimento de água para sistemas automáticos de proteção contra incêndio deve ser projetado para uma duração mínima de 2 h.

5.6.1.1.1 Quando forem usados chuveiros ESFR a duração do suprimento de água deve ser de 1 h.

5.6.1.2 O suprimento de água deve incluir a demanda do sistema de chuveiros automáticos e a demanda do sistema de espuma de alta expansão.

5.6.1.3 Somente sistemas de tubo molhado devem ser usados em áreas de armazenagem de papel tissue (produtos como guardanapos, papéis toalha, papéis higiênicos e lenços).

5.6.1.4 Papéis pesados e médios armazenados horizontalmente devem ser protegidos como uma configuração fechada.

5.6.1.5 Papéis de peso médio podem ser protegidos como papéis pesados, desde que cada bobina seja envolta completamente com papel, nas laterais e extremidades, ou então, seja envolta somente nas laterais e amarrada com cintas de aço. O papel utilizado como envoltório deve ser uma folha única de papel pesado com gramatura de 18,1 kg (40 lb), ou duas camadas de papel pesado com gramatura inferior a 18,1 kg (40 lb).

5.6.1.6 Papéis de peso leve e papéis tissue podem ser protegidos como papéis de peso médio, desde que cada bobina seja envolta completamente com papel, nas laterais e extremidades, ou então seja envolta somente nas laterais e amarrada com cintas de aço. O papel utilizado como envoltório deve ser uma folha única de papel pesado com gramatura de 18,1 kg (40 lb), ou duas camadas de papel pesado com gramatura inferior a 18,1 kg (40 lb).

5.6.1.7 Para efeito de projeto do sistema de chuveiros, os papéis leves devem ser protegidos da mesma maneira que os papéis tissue.

5.6.2 Parâmetros de proteção para a armazenagem de bobinas de papel

5.6.2.1 Parâmetros de proteção para a armazenagem de bobinas de papel utilizando chuveiros de controle área-densidade.

5.6.2.1.1 A proteção com chuveiros de áreas de armazenagem de bobinas de papéis pesados e médios até 3.1 m (10 ft) de altura deve ser feita de acordo com as densidades para risco ordinário Grupo 2.

5.6.2.1.2 A proteção com chuveiros de áreas de armazenagem de bobinas de papéis leves e tissue até 3,1 m (10 ft) de altura deve ser feita de acordo com as densidades para risco extra Grupo 1.

5.6.2.1.3 A proteção com chuveiros de áreas de armazenagem de bobinas de papel de no mínimo 3,1 m (10 ft) de altura em edifícios ou estruturas com telhados ou tetos de até 9,1 m (30 ft) deve ser feita de acordo com as Tabelas 5.6.2.1.3(a) e 5.6.2.1.3(b).

5.6.2.1.4 A proteção de bobinas de papel armazenadas a, no mínimo, 4,6 m (15 ft) de altura deve ser feita com chuveiros de temperatura alta.

5.6.2.1.5 A área de proteção de cada chuveiro não deve exceder 9,3 m² (100 ft²) nem ser menor que 6,5 m² (70 ft²).

5.6.2.1.6 Quando forem instalados sistemas de espuma de alta expansão em áreas de armazenagem de papéis pesados e médios, a densidade de projeto do sistema pode ser reduzida até 9.8 L/min/m² (0.24 gpm/ft²) com área mínima de operação de 186 m² (2000 ft²).

5.6.2.1.7 Quando forem instalados sistemas de espuma de alta expansão em áreas de armazenagem de papéis tissue, as densidades de projeto e as áreas de operação somente podem ser reduzidas até os valores indicados nas Tabelas 5.6.2.1.3(a) e 5.6.2.1.3(b).

5.6.2.2 Proteção de bobinas de papel utilizando chuveiros de gotas grandes e chuveiros de controle para aplicações específicas. Quando a proteção utilizar chuveiros de gotas grandes, os parâmetros de cálculo hidráulico devem ser os especificados na Tabela 5.6.2.2. A pressão de descarga de projeto deve ser 3,4 bar (50 psi). O número de chuveiros a ser calculado é indicado com base na altura de armazenagem, distância livre entre teto e topo da carga, e tipo de sistema.

5.6.2.3 Proteção de bobinas de papel com chuveiros ESFR. Quando forem utilizados chuveiros ESFR, os parâmetros de cálculo hidráulico devem ser os especificados na Tabela 5.6.2.3. A pressão de descarga deve ser calculada com base na operação simultânea de 12 chuveiros.

Tabela 5.5.2.1: Armazenagem de algodão em fardos até 4.6 m (15 ft)

Tabela 5.6.2.1.3(a): Parâmetros de proteção de papéis em bobinas armazenados em edifícios ou estruturas com teto ou telhado de até 30 ft, utilizando chuveiros de controle área-densidade (densidades de descarga em gpm/ft² sobre ft²)

 

Tabela 5.6.2.1.3(b): Parâmetros de proteção de papéis em bobinas armazenados em edifícios ou estruturas com teto ou telhado de até 9,1 m, utilizando chuveiros de controle área-densidade (densidades de descarga em L/min/m² sobre m²)

 

Tabela 5.6.2.2: Chuveiros de gotas grandes para a proteção de armazenagem de bobinas de papel (número de chuveiros a ser calculado)

 

Tabela 5.6.2.3: Proteção de armazenagem de bobinas de papel com chuveiros ESFR (altura máxima de armazenagem permitida)

 

Tabela 5.7.1: K-25,2 Proteção com chuveiros ESFR de prateleiras portáteis (arranjo fechado1) sem prateleiras sólidas contendo componentes automotivos


5.7 Projetos especiais

5.7.1 Peças de motores de veículos feitas de plástico. Componentes automotivos de plástico e seus materiais de embalagem podem ser protegidos conforme a Tabela 5.7.1.

5.7.2 Parâmetros de proteção de áreas de armazenagem e de exibição, em lojas de varejo, de mercadorias Classe I até Classe IV, plásticos grupo A não expandidos em caixas de papelão, e plásticos grupo A expostos não expandidos.

5.7.2.1 Um sistema de tubo molhado projetado para atingir dois pontos diferentes de projeto – densidade de 0.6 gpm/ft² sobre 2000 ft² e densidade de 0.7 gpm/ft² para os 4 chuveiros de maior demanda hidráulica – pode ser usado para proteger estruturas porta-paletes simples e duplas com prateleiras vazadas, quando as seguintes condições forem atendidas:

1) Devem ser utilizados chuveiros de cobertura estendida, certificados para uso em áreas de armazenagem, com Fator K nominal de 25,2;

2) As prateleiras vazadas devem ser formadas por ripas de 51 mm (2 in) de espessura e largura máxima de 153 mm (6 in) fixadas por espaçadores que garantam uma abertura mínima de 51 mm (2 in) entre cada ripa;

3) Não é permitido o uso de prateleiras vazadas na estrutura porta-paletes acima do nível de 12ft. Telas metálicas (mais que 50% de abertura) podem ser usadas nos níveis acima de 3,7 m (12 ft) de altura;

4) Prateleiras de madeira compensada (31/2 ft × 8 ft 3 in.) podem ser usadas sobre as ripas no nível de 1,5 m (5 ft);

5) Metal perfurado (40% ou mais de área aberta) pode ser usado sobre as prateleiras vazadas até o nível de 60 in;

6) A menos que especificamente citado neste item, madeira compensada ou materiais similares não podem ser colocadas sobre as prateleiras vazadas;

7) A altura máxima do telhado na área protegida deve ser 9,1 m (30 ft);

8) A máxima altura de armazenagem permitida deve ser 6,7 m (22 ft);

9) A largura mínima dos corredores deve ser 2,4 m (8 ft);

10) Deve haver vãos verticais transversais de, no mínimo, 76mm (3 in) a cada 3 m (10 ft) horizontalmente;

11) Devem ser mantidos vãos verticais longitudinais de pelo menos 152 mm (6 in) de largura em estruturas porta-paletes duplas;

12) A armazenagem de mercadorias nos corredores pode ser feita se essa mercadoria não tiver mais que 1,2 m (4 ft) de altura e se for mantido um corredor livre mínimo de 1,52 m (4 ft.).

5.7.2.2 Um sistema de tubo molhado projetado para atingir 2 pontos diferentes de projeto – densidade de 0.425 gpm/ft² sobre 186 m² (2000 ft²) e densidade de 0.50 gpm/ft² para os 4 chuveiros de maior demanda hidráulica – pode ser usado para proteger as gôndolas das prateleiras metálicas, quando as seguintes condições forem atendidas:

1) Devem ser utilizados chuveiros de cobertura estendida, certificados para uso em áreas de armazenagem, com Fator K nominal de 25,2;

2) A altura de armazenagem deve ser, no máximo, 3,6 m (12 ft.);

3) A altura do teto na área protegida não deve ser superior a 6,7 m (22 ft);

4) Estrutura das prateleiras não deve ter mais de 1,2 m (48 in.) de profundidade agregada ou 2,0 m (78 in) de altura;

5) Deve ser mantido um corredor de, no mínimo, 1,5 m (5 ft) de largura entre o material armazenado;

6) O comprimento das prateleiras não deve ser maior que 21,2 m (70 ft).

5.7.2.3 Um sistema de tubo molhado projetado para atingir 2 pontos diferentes de projeto – densidade de 0.425 gpm/ft² sobre 186 m² (2000 ft²) e densidade de 0.50 gpm/ft² para os 4 chuveiros de maior demanda hidráulica pode ser usado para proteger gôndolas das prateleiras metálicas, quando as seguintes condições forem atendidas:

1) Devem ser utilizados chuveiros de cobertura estendida, certificados para uso em áreas de armazenagem, com Fator K nominal de 25.2;

2) A altura de armazenagem deve ser, no máximo, 4,5 m (15 ft);

3) A altura do teto na área protegida não deve ser superior a 25 ft;

4) Estrutura das prateleiras não deve ter mais de 1,5 m (60 in.) de profundidade agregada ou 2,4 m (8 ft) de altura;

5) Uma plataforma de metal perfurada a 2,4 m (8 ft) de altura pode ser utilizada para armazenagem, com ou sem vãos verticais, de mercadorias até 4,5 m (15 ft) de altura (medido a partir do piso);

6) O comprimento da prateleira deve ser, no máximo, 21,2 m (70 ft);

7) Deve ser mantido um corredor de pelo menos 1,8 m (6 ft.).

5.7.2.4 Um sistema de tubo molhado projetado para atingir 2 pontos diferentes de projeto – densidade de 0.45 gpm/ft² sobre 186 m² (2000 ft²) e densidade de 0.55 gpm/ft² para os 4 chuveiros de maior demanda hidráulica é permitido sem o uso de chuveiros internos quando as seguintes condições forem atendidas:

Figura 1: Devem ser utilizados chuveiros de cobertura estendida, certificados para uso em áreas de armazenagem, com Fator K nominal de 25.2;

Figura 2: A altura de armazenagem deve ser, no máximo, 4,5 m (15 ft);

Figura 3: A altura do teto deve ser, no máximo, 6 m (20 ft);

Figura 4: As prateleiras não devem ter mais de 1,2 m (48 in.) de profundidade agregada ou 3,6 m (12 ft) de altura;

Figura 5: As prateleiras podem ser feitas de placas de aglomerado;

Figura 6: Deve ser mantido um corredor de pelo menos 1m (3 ft);

Figura 7: O comprimento das prateleiras não deve ser maior que 21,2 m (70 ft).

5.7.2.5 Um sistema de tubo molhado projetado para atingir 2 pontos diferentes de projeto – densidade de 0.38 gpm/ft² sobre 186 m² (2000 ft²) e densidade de 0.45 gpm/ft² para os 4 chuveiros de maior demanda hidráulica pode ser usado para proteger as bases das gôndolas das prateleiras metálicas sem necessidade de chuveiros internos, quando as seguintes condições forem atendidas:

1) Devem ser utilizados chuveiros de cobertura estendida, certificados para uso em áreas de armazenagem, com Fator K nominal de 25.2;

2) A altura de armazenagem deve ser, no máximo, 4,2 m (14 ft);

3) A altura do teto deve ser, no máximo, 6,10 m (20 ft);

4) Prateleiras metálicas não vazadas podem ser usadas até o nível de 1,8 m (72 in.); prateleiras de tela metálica podem ser usadas até 3,10 m (10 ft) de altura;

5) As prateleiras de metal não vazadas não devem ter mais de 1,6 m (66 in.) de profundidade agregada, com um vão vertical longitudinal de 6 in, entre duas prateleiras de 762 mm (30 in.) de profundidade;

6) Deve ser mantido um corredor de pelo menos 5 ft;

7) Deve ser mantido um vão vertical longitudinal de pelo menos 152 mm (6 in);

8) O comprimento das prateleiras não deve ser maior que 21,2 m (70 ft).

5.7.2.6 Um sistema de tubo molhado projetado para atingir 2 pontos diferentes de projeto – densidade de 0.38 gpm/ft² sobre 186 m² (2000 ft²) e densidade de 0.45 gpm/ft² para os 4 chuveiros de maior demanda hidráulica pode ser usado para proteger as bases das gôndolas das prateleiras metálicas sem necessidade de chuveiros internos, quando as seguintes condições forem atendidas:

1) Devem ser utilizados chuveiros de cobertura estendida, certificados para uso em áreas de armazenagem, com fator k nominal de 25.2;

2) A altura de armazenagem deve ser, no máximo, 5,0 m;

3) A altura do teto deve ser, no máximo, 6,7 m (22 ft);

4) As prateleiras não devem ter mais de 1,3 m (51 in.) de profundidade agregada ou 3,8 m (148 in.) de altura;

5) A intersecção de prateleiras metálicas perpendiculares é permitida desde que não sejam colocadas mercadorias no espaço vazio na junção das prateleiras;

6) A prateleira superior deve ser de tela metálica;.

7) Deve ser mantido um corredor de, no mínimo, 1,2 m (4 ft) de largura entre prateleiras.

6 Documentação

6.1 Quando se tratar da solicitação da primeira vistoria de edificações dotadas de sistema de chuveiros automáticos, o responsável técnico pela instalação do sistema deverá realizar as atividades de comissionamento do sistema de acordo com anexar o Relatório de comissionamento do sistema de chuveiros automáticos previsto no Anexo B desta IT.

6.1.1 O memorial de comissionamento do sistema de chuveiros automáticos é parte integrante do Processo de Segurança Contra Incêndio, devendo ser elaborado por profissional habilitado e ser entregue no ato da vistoria do Corpo de Bombeiros, acompanhado do comprovante de responsabilidade técnica.

6.2 Quando se tratar da solicitação da renovação de vistoria de edificações dotadas de sistema de chuveiros automáticos, o responsável técnico pela manutenção do sistema deverá anexar o Relatório de inspeção do sistema de chuveiros automáticos previsto no Anexo C desta IT.

6.2.1 O Relatório de inspeção do sistema de chuveiros automáticos é parte integrante do Processo de Segurança Contra Incêndio, devendo ser elaborado por profissional habilitado e ser entregue no ato da vistoria do Corpo de Bombeiros, acompanhado do comprovante de responsabilidade técnica.



Anexo A
Definições

A.1.1 Armazenagem a grande altura: armazenagem de materiais em pilhas sólidas, em pilhas entremeadas por paletes, em estruturas porta-paletes, em estantes e em caixas tipo bin-box a mais de 3,7m de altura.

A.1.1.1 Chuveiro de Extinção Precoce e Resposta Rápida (ESFR – Early Suppression and Fast Response): tipo de chuveiro de resposta rápida utilizado para extinção (e não simplesmente controle) de alguns tipos de incêndios graves.

A.1.1.2 Chuveiro de gotas grandes: tipo de chuveiro capaz de produzir gotas grandes de água, utilizado para controle de alguns tipos de incêndios graves.

A.1.1.3 Chuveiros automático de controle para aplicação específica (CCAE): é um tipo de chuveiro que atua no modo de controle e se caracteriza por produzir gotas grandes de água, testado e aprovado para uso em áreas de incêndios de alta intensidade.

A.1.1.4 Chuveiros automático tipo spray de controle área/densidade (CCAD): é um tipo de chuveiro projetado para áreas de incêndios em local de armazenamento usando o método de controle área / densidade.

A.1.1.5 Chuveiro para nível intermediário/estrutura porta-paletes: chuveiro equipado com guarnição que protege seus elementos de operação contra a água descarregada por outros chuveiros instalados em níveis superiores.

A.1.2 Definições de armazenagem em pilhas sólidas, pilhas entremeadas por paletes, em caixas tipo bin-box e em estantes.

A.1.2.1 Arranjo

A.1.2.1.1 Arranjo fechado: arranjo de armazenagem no qual o movimento de ar através das pilhas é limitado devido à existência de vãos verticais de 152-mm (6-in.) ou menos entre pilhas.

A.1.2.1.2 Arranjo aberto: arranjo de armazenagem no qual o movimento de ar através das pilhas é favorecido devido à existência de vãos verticais maiores de 152-mm (6-in.) entre pilhas.

A.1.2.2 *Altura disponível para armazenagem: altura máxima até a qual a carga pode ser armazenada acima do piso e ainda manter um espaço livre até os elementos estruturais e uma distância adequada até os chuveiros.

A.1.2.3 Armazenagem em tipo bin-box: armazenagem em caixas de madeira, metal ou papelão, consistindo de cinco lados fechados e um lado aberto voltado para o corredor. As caixas são autossuportadas ou suportadas por uma estrutura que deixa poucos ou nenhum vão horizontal ou vertical ao redor das caixas.

A.1.2.4 Distância livre: distância entre o topo da carga e os defletores dos chuveiros do teto.

A.1.2.5 Distância livre para o teto: é a distância do topo do armazenamento até o teto acima.

A.1.2.6 Mercadoria: combinação de produtos, material de embalagem e embalagem na qual é baseada a classificação de mercadoria.

A.1.2.7 *Compartimentado: uma separação rígida dos produtos em um contentor feita por divisórias que formam uma unidade estável em condições de incêndio.

A.1.2.8 Contentor (para transporte, mestre ou externo): um recipiente resistente o bastante, devido ao seu material, projeto ou construção, que pode ser transportado em segurança ser embalagem adicional.

A.1.2.9 Encapsulamento: método de embalagem que consiste em envolver com filme plástico as laterais e o topo da carga de um palete contendo mercadoria combustível ou embalagem combustível ou um grupo de mercadorias combustíveis ou embalagens combustíveis. Mercadorias combustíveis, embaladas individualmente com filme plástico e armazenadas de forma exposta sobre um palete, são também consideradas encapsuladas. Mercadorias totalmente incombustíveis em paletes de madeira envoltas somente por filme plástico, como descrito acima, não estão cobertas por esta definição. O fechamento com filme plástico somente das laterais da carga sobre paletes não é considerado encapsulamento. O termo encapsulamento também não é aplicável quando houver buracos ou falhas no plástico ou na cobertura impermeável sobre as caixas que excedam metade da área da cobertura. O termo encapsulamento também não se aplica a produtos ou embalagens envoltas em plástico colocados dentro de caixas grandes fechadas não envoltas em plástico.

A.1.2.10 Plásticos expandidos (espumados ou celulares) plásticos cuja densidade é reduzida pela presença de grande número de células, interconectadas ou não, dispersas em seu corpo.

A.1.2.11 Mercadorias de plásticos Grupo A expostos: plásticos não utilizados para embalagem ou recobrimento, que absorvem água ou retardem significativamente o risco de queima da mercadoria. (Envoltos em papel ou encapsulados, ou ambos, devem ser considerados expostos).

A.1.2.12 Materiais plásticos fluentes: plásticos que caem de suas embalagens durante um incêndio, obstruem os vãos verticais e criam um efeito de abafamento do fogo. Exemplos incluem plásticos em pó, paletizado, em flocos ou pequenos objetos [estojos de lâminas de barbear, pequenos frascos de 1-oz a 2-oz (28-g a 57-g)].

A.1.2.13 Embalagem: envoltório, protetor contra impactos ou contentor.

A.1.2.14 Armazenagem entremeada com paletes: armazenagem de mercadorias sobre paletes ou outros meios para formar espaços horizontais entre níveis de armazenagem.

A.1.2.15 *Estabilidade de pilhas, pilhas estáveis: arranjos onde não é esperado o colapso, escoamento do conteúdo ou inclinação das pilhas sobre os vãos verticais, logo após o início do desenvolvimento do incêndio.

A.1.2.16 *Estabilidade de pilhas, pilhas instáveis: arranjos onde é esperado o colapso, escoamento do conteúdo ou inclinação das pilhas sobre os vãos verticais, logo após o início do desenvolvimento do incêndio.

A.1.2.17 Altura do telhado: distância entre o piso e a parte inferior do telhado dentro da área de armazenagem.

A.1.2.18 Armazenagem em estantes: armazenagem em estruturas com menos de 76,2 cm (30 in.) de profundidade, com prateleiras com espaçamento vertical aproximado de 0,6 m (2 ft) e separadas por corredores de aproximadamente 76,2 cm (30-in.).

A.1.2.19 Unidade sólida de carga de um plástico não expandido (em caixas de papelão ou exposta): carga que não apresenta vazios (ar) em seu interior e que queimaria somente sua parte externa; a água dos chuveiros poderia atingir a maior parte da superfície disponível para a queima.

A.1.2.20 Acessórios para armazenagem: objetos para armazenagem como paletes, suportes, separadores e estrados.

A.1.2.21 Unidade de carga: carga sobre um palete ou módulo, mantida coesa por qualquer método, e normalmente transportada por equipamentos de transporte de cargas.

A.1.3 Definições de armazenagem em estruturas porta-paletes

A.1.3.1 Largura do corredor: a distância horizontal entre as faces das cargas nas estruturas porta-paletes em questão.

A.1.3.2 Barreira vertical: uma barreira vertical na estrutura porta-paletes.

A.1.3.3 Em Caixas de papelão: método de armazenagem no qual a mercadoria é completamente envolvida por recipientes de papelão corrugado ou cartão.

A.1.3.4 Paletes convencionais: um acessório para manuseio de cargas feito suportar uma carga unitária, com aberturas para acesso de equipamentos de manuseio de cargas.

A.1.3.5 Palete de plástico reforçado: palete de plástico que tenha um material de reforço secundário (tal como aço ou fibra de vidro) em seu interior.

A.1.3.6 Chuveiros de face: chuveiros tipo padrão localizados nos vãos verticais transversais ao longo do corredor ou na estrutura porta-paletes. São posicionados a, no máximo, 0.46 m (18 in.) da face da carga e são utilizados para evitar o desenvolvimento vertical do fogo na face externa da mercadoria.

A.1.3.7 Barreira horizontal: barreira sólida horizontal, que cobre toda a estrutura porta-paletes, incluindo todos os vãos verticais e posicionados de determinadas alturas para evitar a propagação vertical do fogo.

A.1.3.8 Vão (vertical) longitudinal: é o espaço entre filas de mercadorias, estando perpendicularmente à direção de carregamento da estrutura.

A.1.3.9 Estrutura porta-paletes. Qualquer combinação de elementos estruturais verticais, horizontais e diagonais que apoiam mercadorias armazenadas. Algumas estruturas porta-paletes utilizam prateleiras sólidas. As estruturas porta-paletes podem ser fixas, portáteis ou móveis. O carregamento pode ser manual, utilizando empilhadeiras, gruas ou colocação manual, ou automático, com sistemas de armazenagem e recuperação controlados por máquinas.

A.1.3.9.1 Estruturas porta-paletes de filas duplas: duas estruturas porta-paletes de fila única, encostadas uma na outra, formando uma estrutura com largura máxima total de 3,7 m (12 ft), com corredores de pelo menos 1,1 m (3,5 ft) em cada lado.

A.1.3.9.2 Estruturas porta-paletes móveis: estruturas porta-paletes sobre trilhos ou guias. Podem ser movidos horizontalmente para frente e para trás em um único plano. Um corredor móvel é criado quando estruturas porta-paletes contíguas são carregadas ou descarregadas, e depois movidas ao outro lado do corredor para encostar-se a outros porta-paletes.

A.1.3.9.3 Estruturas porta-paletes de filas múltiplas: estruturas porta-paletes com larguras maiores que 3,7 m (12 ft) ou estruturas de fila única ou filas duplas separadas por corredores com largura menor que 1,1 m (3,5 ft), formando um conjunto com largura total superior a 3,7 m (12 ft).

A.1.3.9.4 Estruturas porta-paletes portáteis: estruturas porta-paletes que não são fixas. Podem ser dispostas em várias configurações diferentes.

A.1.3.9.5 Estruturas porta-paletes de fila única: estruturas porta-paletes sem vão verticais longitudinais, com largura máxima de 1,8 m (6 ft) e corredores de pelo menos 1,1 m (3,5 ft) separando-as de outras mercadorias armazenadas.

A.1.3.10 Paletes escravos: palete especial que pertence ao sistema de manuseio de material. (Ver Figura A.3.10.4.)

A.1.3.11 Prateleiras sólidas: prateleiras sólidas podem ser fixas, em forma de estrado, de tela metálica ou de outro tipo, utilizadas em estruturas porta-paletes. A área de uma prateeira sólida é definida pelo corredor ou vão vertical ao redor de seus 4 lados. Prateleiras sólidas com área igual ou menor a 20 ft² serão definidas como estruturas porta-paletes abertas. Caso as prateleiras de tela metálica, estrados ou outros materiais deixem abertos mais que 50% da área, e caso haja vãos verticais desimpedidos, a estrutura será considerada como uma estrutura porta-paletes aberta.

A.1.3.12 Vão (vertical) transversal: é o espaço entre filas de mercadorias, estando paralelamente à direção do carregamento da estrutura.

A.1.3.13 Caixas tipo bin-box: caixas de metal, madeira, plástico ou papelão com 5 lados fechados e 1 aberto, normalmente voltado para o corredor, para permitir acesso ao conteúdo. As caixas tipo bin-box podem ser auto-portantes ou sustentadas por uma estrutura.

A.1.4 Definições sobre armazenagem de pneus

A.1.4.1 Pneus atados: método de armazenagem no qual uma quantidade de pneus é atada.

A.1.4.2 Canal horizontal: qualquer espaço ininterrupto de comprimento maior que 1,5 m (5 ft) entre camadas horizontais de pneus armazenados. Esses canais podem ser formados por paletes, prateleiras ou outros arranjos de armazenagem.

A.1.4.3 Armazenagem trançada de pneus: método de armazenagem de pneus no qual as laterais dos mesmos se sobrepõem, aparentando uma trama ou malha.

A.1.4.4 Armazenagem temporária de pneus: armazenagem de pneus que não se constitui na principal utilização do edifício. As áreas de armazenagem não deverão exceder 186 m² (2000 ft²). Pilhas formadas por pneus apoiados sobre a banda de rodagem, independentemente do método de armazenagem, não devem exceder 7,6 m (25 ft) no sentido dos orifícios das rodas. Os métodos aceitáveis de armazenagem incluem (a) no piso, deitados, até 3,7 m (12 ft) de altura; (b) no piso, de pé, até 1,5 m (5 ft) de altura; (c) deitados ou de pé em estruturas porta-paletes fixas de filas duplas ou múltiplas ou em estruturas portáteis, até 1,5 m (5 ft) de altura; (d) deitados ou de pé em estruturas porta-paletes fixas de filas únicas ou em estruturas portáteis, até 3,7 m (12 ft) de altura; e (e) armazenagem trançada em estruturas porta-paletes até 1,5 m (5 ft) de altura.

A.1.4.5 Armazenagem de pneus deitados: pneus são armazenados horizontalmente.

A.1.4.6 Armazenagem de pneus em pé: pneus armazenados em pé ou sobre a banda de rodagem.

A.1.4.7 Armazenagem de pneus sobre paletes. Armazenagem em estruturas porta-paletes de vários tipos utilizando um palete convencional como base.

A.1.4.8 Armazenagem de pneus em pirâmide: armazenagem sobre o piso na qual os pneus são dispostos em forma de pirâmide para melhor estabilidade da pilha.

A.1.4.9 *Ilustrações sobre estruturas porta-paletes para pneus.

A.1.4.10 Pneus: pneus utilizados para autos de passageiros, aeronaves, caminhões leves e pesados, carretas, equipamento agrícola, equipamentos de contrução (off-the-road) e ônibus.

A.1.5 Definições sobre algodão em fardos

A.1.5.1 *Algodão em fardos: fibra natural embalada com materiais considerados aceitáveis pela indústria, em geral aniagem, polipropileno trançado ou filme de polietileno, e amarrada com cintas de aço, de material sintético, ou com arame. Podem conter também línteres (pequenas fibras da semente de algodão) e material residual do processo de descaroçamento.

A.1.5.2 Armazenagem de algodão em blocos: quantidade de fardos empilhados em forma cúbica e envoltos por corredores, paredes, ou ambos.

A.1.5.3 Algodão frio: algodão em fardos, 5 ou mais dias após o processo de descaroçamento.

A.1.5.4 Enfardado com fogo: fardo dentro do qual há fogo proveniente do processo. O descaroçamento é geralmente a causa mais frequente.

A.1.5.5 Fardo de algodão sem envoltório: fardo amarrado com cintas de arame ou aço, em envoltório.

A.1.6 Definições sobre papel em bobinas

A.1.6.1 Arranjo (Papel).

A.1.6.1.1 Arranjo fechado (Papel): armazenagem vertical na qual as distâncias entre pilhas são curtas, não devendo exceder mais que 50 mm (2 pol.) em uma direção e 25 mm (1 pol.) na outra.

A.1.6.1.2 Arranjo aberto (Papel): armazenagem vertical na qual as pilhas são bastante espaçadas entre si. Esta definição aplica-se a todos os arranjos verticais que não atendam à definição de arranjo fechado ou arranjo padrão.

A.1.6.1.3 *Arranjo padrão (Papel): armazenagem vertical na qual a distância entre pilhas em uma direção é curta [25 mm (1 pol.) ou menos] e maior que 50 mm (2 pol.) na outra.

A.1.6.2 Armazenagem de bobinas com cintas: bobinas providas de cintas de aço de 9.5 mm (3/8 pol.) ou mais largas em cada extremidade da bobina.

A.1.6.3 Pilha: pilha formada por bobinas sobrepostas.

A.1.6.4 Tubete: tubo central ao redor do qual o papel é enrolado para formar a bobina.

A.1.6.5 Papel (termo geral): termo utilizado para todos os tipos de folhas formadas por materiais fibrosos naturais, normalmente vegetais, mas algumas vezes minerais ou animais, sobre uma tela fina a partir de uma suspensão em água.

A.1.6.6 Armazenagem de Bobinas de Papel

A.1.6.6.1 Armazenagem horizontal de bobinas de papel: bobinas armazenadas com os tubetes no plano horizontal (armazenagem lateral).

A.1.6.6.2 Armazenagem vertical de bobinas de papel: bobinas armazenadas com os tubetes no plano vertical (armazenagem de pé).

A.1.6.6.3 *Armazenagem de bobinas de papel embaladas: bobinas com envoltório de papel kraft pesado que recobre totalmente as suas laterais e extremidades.

A.1.7 *Altura de armazenagem de bobinas de papel: a máxima altura acima do piso na qual papel em bobinas é armazenado.

Anexo B
Classificação de mercadorias

B.1. Classificação de mercadorias

B.1.1 Generalidades

A classificação de mercadorias e a relação com os requisitos de proteção devem ser baseados na unidade de estoque de uma determinada mercadoria (Por exemplo: palete carregado). Outros exemplos são encontrados no Anexo B.

Na classificação de mercadorias devem ser considerados os produtos e suas respectivas embalagens.

Mercadorias misturadas: a estocagem de mercadorias misturadas deve ser protegida pelos requisitos mais restritivos relacionado à classificação por produtos ou arranjo da estocagem.

Materiais de risco alto podem ser segregados em áreas específicas, desde que protegidas adequadamente para este tipo de material.

B.1.2 Tipos de paletes

Para mercadorias que são estocadas com paletes de madeira ou metal, estes devem ser considerados na classificação de mercadorias. Quando são empregados paletes plásticos a classificação de mercadorias deve ser elevada em uma Classe, a menos que esta já seja classificada como plástico no Grupo A.

B.1.3 Classes de mercadorias

B.1.3.1 Classe I: produtos incombustíveis que atendam ao menos uma das condições:

B.1.3.2 Colocados sobre paletes de madeira;

B.1.3.3 embalados em caixa de papelão com ou sem divisores, sobre paletes ou não;

B.1.3.4 embrulhados com papel ou plástico, sobre paletes ou não;

B.1.3.5 Classe II: produtos incombustíveis colocados em engradados de madeira, caixotes de madeira, caixas de papelão de multicamadas ou material cuja embalagem é de combustibilidade equivalente, colocados ou não sobre paletes.

B.1.3.6 Classe III: são definidas como: madeira, papel, tecidos de fibras naturais, ou plásticos do Grupo C ou produtos similares com ou sem paletes. Os produtos podem conter uma quantidade limitada (5% em volume ou peso) de plásticos do Grupo A e B.

B.1.3.7 Classe IV: produtos que atendam a pelos menos uma das seguintes condições:

B.1.3.8 Fabricados parcial ou totalmente de plásticos do Grupo B;

B.1.3.9 Plásticos Grupo A sujeitos a derramamento, como polietileno em grãos, ou que contenham de 5% a 25% em volume ou 5% a 15% em peso de plásticos do Grupo A sendo o restante composto de materiais como metal, madeira, papel, fibras naturais ou sintéticas e plásticos do Grupo B ou C.

B.1.4 Classificação de plásticos, elastômeros e borrachas

B.1.4.1 Grupo A:

B.1.4.2 ABS (copolímero de acrilonitrila – butadieno – estireno);

B.1.4.3 ACETAL (poliformaldeído);

B.1.4.4 ACRÍLICO (polimetacrilado de metila);

B.1.4.5 BORRACHA BUTÍLICA;

B.1.4.6 EPDM (copolímero de etilenopropilenodieno);

B.1.4.7 FRP (poliéster reforçado com fibra de vidro);

B.1.4.8 BORRACHA NATURAL EXPANDIDA;

B.1.4.9 BORRACHA NITRÍLICA (borracha de acrilonitrila – butadieno);

B.1.4.10 PET (poliéster termoplástico);

B.1.4.11 POLIBUTADIENO;

B.1.4.12 POLICARBONATO;

B.1.4.13 ELASTÔMEROS DE POLIÉSTER;

B.1.4.14 POLIETILENO;

B.1.4.15 POLIPROPILENO;

B.1.4.16 POLIESTIRENO;

B.1.4.17 POLIURETANO;

B.1.4.18 PVC (policloreto de vinila – altamente plastificado, com teor maior que 20% de plastificante, exemplos: tecidos revestidos de PVC, filme não portantes);

B.1.4.19 SAN (estireno – acrilonitrila);

B.1.4.20 SBR (borracha butadieno estireno).

B.1.4.21 Grupo B

B.1.4.22 CELULÓSICOS (acetato de celulose, butirato de acetato de celulose – etil celulose);

B.1.4.23 POLICLOROPRENO (borracha neopreme);

B.1.4.24 PLÁSTICOS FLUORADOS (ECTFE – copolímero de etileno de clorotrifluoretileno, ETFE – copolímero de etilenotetrafluoretileno, FEP – copolímero etilenopropileno fluorado);

B.1.4.25 BORRACHA NATURAL NÃO EXPANDIDA

B.1.4.26 NYLON (náilon, poliamida 6, poliamida 6/6);

B.1.4.27 BORRACHA DE SILICONE.

B.1.4.28 Grupo C

B.1.4.29 PLÁSTICOS FLUORADOS (PCTFE – policlorotrifluoretileno);

B.1.4.30 PTFE (politetrafluoretileno);

B.1.4.31 MELAMINA (resina melamina formaldeído);

B.1.4.32 FENÓLICOS (resina fenólica);

B.1.4.33 PVC (policloreto de vinila, com teor até 20% de plastificante, – rígido e levemente plastificado – exemplos: tubos e conexões);

B.1.4.34 PVDC (policloreto de vinilideno);

B.1.4.35 PVDF (polifluoreto de vinilideno);

B.1.5 Classificação de papéis em bobinas

B.1.5.1 Classe pesada: bobinas de papel com gramatura igual ou superior a 0,10 kg/m² (0,0098 g/cm²);

B.1.5.2 Classe média: bobinas de papel com gramatura superior a 0,10 kg/m² (0,0098 g/cm²) e inferior a 0,05 kg/m² (0,0048 g/cm²);

B.1.5.3 Classe leve: bobinas de papel com gramatura igual ou inferior a 0,05 kg/m² (0,0048 g/cm²).

B.1.5.4 PVF (polifluoreto de vinila);

B.1.5.5 URÉIA (resina uréia – formaldeído).

Anexo C
Mercadorias – Exemplos

Anexo D
Exemplos das mercadorias – Classes I, II, III e IV

Exemplos de mercadorias Classe I

 


Exemplos de mercadorias Classe II

 


Exemplos de mercadorias Classe III

 


Exemplos de mercadorias Classe IV

 


Exemplos de plásticos Grupo A

 


Anexo E
Requisitos gerais de armazenagem

E.1 Os requisitos do Anexo “E” se aplicam a todas as disposições de armazenagem e a todas as mercadorias, exceto para armazenagens temporária e armazenagem de mercadorias Classe I a IV até 3,7 m de altura (ver item 5.1.10) e demais exceções dispostas nesta instrução Técnica.

E.1.1 O cálculo do sistema de chuveiros deve considerar a altura de armazenagem e a distância livre entre topo da armazenagem e o teto que rotineiramente existem na edificação e exigem a maior demanda de água.

E.1.2 distância livre excessiva entre os chuveiros do teto e o topo da carga.

E.1.2.1 A distância livre excessiva entre os chuveiros do teto e o topo da carga será medida de acordo com os itens E.1.2.1.1 a E.1.2.1.3.

E.1.2.1.1 No caso de forros de metal corrugado com profundidade de até 76 mm (3 polegadas), a distância livre até o teto será medida do topo da armazenagem até a base do forro.

 

Figura E.2: Forro de metal corrugado com profundidade ≤ 76 mm.

E.1.2.1.2 No caso de forros de metal corrugado com profundidade superior a 76 mm (3 polegadas), a distância livre até o teto será medida do topo da armazenagem até o ponto mais alto do forro.

Figura E.3: Forro de metal corrugado com profundidade > 76 mm.

 

E.1.2.1.3 No caso de teto com isolamento fixado diretamente na parte inferior do teto ou da estrutura do teto, a distância livre até o teto será medida do topo da armazenagem até a base do isolamento e estará de acordo com o item E.1.2.1.3(A) ou E.1.2.1.3(B):

(A) No caso de isolamento fixado diretamente no teto ou da estrutura do teto e instalado plano e paralelo ao teto ou à estrutura do teto, a distância até o teto será medida do topo da armazenagem até a parte inferior do isolamento.

 

Figura E.4: Forro com isolamento fixado diretamente no teto

 

(B) Para isolamento que seja instalado de maneira que faça com que ele desvie ou envergue para baixo da estrutura do teto ou do telhado, a distância livre até o teto deve ser medida a partir da parte superior da armazenagem até a metade da distância do desvio do ponto alto do isolamento até o ponto baixo do isolamento.

Caso o desvio ou envergamento do isolamento seja maior do que 152 mm (6 polegadas), a distância livre até o teto será medida do topo da armazenagem até o ponto mais alto do isolamento.

Figura E.5: Forro com isolamento que desvia ou envergua para baixo da estrutura do teto no teto (caso 1)

Figura E.6: Forro com isolamento que desvia ou envergua para baixo da estrutura do teto no teto (caso 2)

E.1.2.2 Para os critérios de Chuveiros tipo spray de controle área/densidade (CCAD), nos quais a distância livre até o teto excede os identificados na Tabela (E.1), aplicam-se os requisitos da Tabela (E.2) e da Tabela (E.3).

E.1.2.3 A proteção de produtos de Classe I a Classe IV usando critérios de Chuveiros tipo spray de controle área/densidade (CCAD), que a distância livre até o teto excede a máxima distância permitida na Tabela (E.1) deve estar de acordo com a Tabela (E.2).

E.1.2.4 A proteção de produtos plásticos e de borracha com critérios de Chuveiros tipo spray de controle área/densidade (CCAD), que a distância livre até o teto excede a máxima distância permitida na Tabela (E.1) deve estar de acordo com a Tabela (E.3).

E.1.2.5 Em caso de ser adotada a opção de instalação de chuveiros automáticos internos suplementares, a densidade do teto será baseada na altura real de armazenagem existente, podendo ser desconsiderada a distância livre para o teto.

E.1.2.6 Exemplos de quando a distância livre até o teto dos chuveiros tipo spray de controle área/densidade (CCAD), excedem os valores especificados na tabela E.1:

Figura E.6: Exemplo (A)

(A) o proprietário de um edifício com um pé direito de 15,00 m que possui o armazenamento de mercadorias Classe I até Classe IV, paletizadas, com empilhamento de 5,00 m de altura (distância livre até o teto de 10,00 m), onde a distância livre máxima permitida é 6,10 m, o sistema de chuveirosautomáticos do teto precisará ser projetado considerando uma altura de empilhamento resultante da subtração da distância livre permitida do pé direito (15,00 – 6,10 = 8,90 m), de forma a atender os valores previstos na tabela E.1, verificar exemplo da figura E.6.

(B) o proprietário de um edifício com um pé direito de 15,00 m que possui o armazenamento de mercadorias Classe I até Classe IV, em estruturas porta-paletes, com empilhamento de 8,00 m de altura (distância livre até o teto de 7,00 m), onde a distância livre máxima permitida é 3,10 m, o sistema de chuveiros automáticos do teto precisará ser projetado considerando uma altura de empilhamento resultante da subtração da distância livre permitida do pé direito (15,00 – 3,10 = 11,90 m), de forma a atender os valores previstos na tabela E.1, verificar exemplo da figura E.7.

Figura E.7: Exemplo (B)tabela E.1: Máxima distância do topo do armazenamento para o teto para os critérios de proteção do Chuveiros de controle área/densidade (CCAD)

Tabela E.1: Máxima distância do topo do armazenamento para o teto para os critérios de proteção do Chuveiros de controle área/densidade (CCAD)

 

Tabela E.2: Mercadorias Classe I até Classe IV

Tabela E.3: Mercadorias de Plástico e Borracha

Figura E.8: Estruturas porta-paletes

 

Figura E.9: Estruturas porta-paletes em corte

Venha participar da maior comunidade de segurança contra incêndio do Brasil.

Sumário

Sumário